O nacional socialismo de Evo

CRISTIAN DEROSA

Muitos autores chamam o sociólogo argentino Norberto Ceresole, mestre inspirador de Hugo Chavez, de nazista e facista. Ente eles estão os autores do famoso e não menos excelente livro Manual do Perfeito Idiota Latino Americano e de sua continuação A volta do Idiota [sobre o qual falarei em artigos posteriores]. Os autores, o colombiano Plínio Apuleyo Mendoza, o peruano Álvaro Vargas Llosa e o cubano Carlos Alberto Montaner, três marxistas arrependidos, tratam dessa forma o pensador argentino talvez por terem lido suas opiniões a respeito da Segunda Guerra, na qual ele afirma que “se Alemanha e Itália tivessem ganho a guerra, os países subdesenvolvidos só teriam a ganhar”, ou ainda as declarações que o indispuseram com a Comunidade Judaica da Venezuela devido à adesão [e não o pioneirismo alegado por ele] ás teorias do revisionismo histórico que pressupõem a tal farsa do Holocausto.

Por outro lado, a versão espanhola da revista Foreign Affairs, de Política Exterior, o considerou como representante da extrema-esquerda peronista dos anos setenta.

Sua teoria de Estado é, assim como as teorias nazistas, fascistas e comunistas, clara e simples. Nas palavras do argentino, Caudillo, ejército y pueblo: eis a trindade suprema defendida por Ceresole como única forma de governo possível.

É interessante notar como a confusão pode ser de tamanha ambiguidade quando se fala em extrema esquerda e extrema direita. No entanto, nem passa pela cabeça de nossos legisladores que a diferença entre eles pode simplesmente inexistir. Separá-los seria recorrer à argumentação desonesta caracterizada por Schopenhauer como a Dialética Erística que consiste, entre outras coisas, em elevar maliciosamente o ínfimo ao essencial.

A ingenuidade dos legisladores, no entanto, alcança somente uns poucos servidores, pois em sua maioria, encontram-se comprometidos ou envolvidos de forma sufocante pelas ideologias mais nocivas à prática democrática. Se atualmente fossem confrontados os princípios do nazismo ao lado da ideologia do PC doB, por exemplo, este último seria criminalizado sob a mesma pena que inferem aos primeiros no vigente código penal brasileiro e da maioria dos países que não estiveram em meio à ditaduras nos últimos dez anos.

Ou seja, em toda a parte do mundo onde existe em uma elite política mera intenção da democracia, partidos como aquele, jamais poderiam existir. Da mesma forma, organizações não-governamentais que defendem classes ou raças ‘discriminadas’ somente existiriam sob estreitas restrições, uma vez que elas não podem pressupor a desigualdade de direitos quando ela de fato não existe nas linhas da constituição. Jamais teriam poder de criação de leis que violem o código legal do país em que se encontram. Menos ainda em outros países como faz a maior e mais cara ONG do mundo, a ONU.

Direitos indigenistas e africanistas, assim como os sexistas devem ser conquistados por meio do estudo da constituição e da realidade e não por meio de emendas ou leis que denigrem o próprio código por meio de contradições. É o caso das leis sobre quilombolas que permite um afro-descendente, mediante a sua simples declaração de descendente (mesmo que tenha olhos azuis) angariar a posse de terras quaisquer. É o que acontece hoje no Brasil. Na Bolívia são os índios que gozam de toda a adoração aparente do seu cacique Evo Morales.

O último senso do país, feito em 2006, indica 60% de indígenas. O que não foi dito é que a pergunta feita para os cidadãos era se a pessoa se considerava descendente de índios. Em caso de resposta positiva era aquela pessoa considerada indígena, o que não se aplica à realidade pois tal situação configura a típica formação latino-americana que é a mestiça. É quase impossível encontrar quem não seja mestiço no continente americano meridional e central. Isso demonstra que há uma séria propensão à mentira e à sabotagem dos dados para justificar o Império Indigenista ou Nacional-Socialismo-etnicista de Evo Morales, respaldado por Hugo Chavez.

Pode-se identificar daí facilmente, uma vertente do hitlerismo alemão, adaptado à região americana e latina, de onde originaram-se supostamente, os povos sagrados ancestrais tidos pelo misticismo nazista, que deu origem ao partido, como o lugar onde ressurgiria a raça prometida e o novo Fuhrer proposto pelo chileno Miguel Serrano. Ou ainda, a terra sagrada onde os Incas montaram um império de prosperidade que casualmente veio a ruir socialmente 100 anos antes do primeiro espanhol partir de Cádiz.

Com certeza, o indigenismo de Morales nada tem a ver com os verdadeiros ancestrais que, a este momento, devem estar mais intrigados com tudo isso do que ficaram quando Pizarro surgiu com seu velame em alto mar.

Anúncios

Uma opinião sobre “O nacional socialismo de Evo”

  1. Ótimo comentário. Todos estão vendo as monstruosidades que o ditador Chavez anda aprontando, porém, poucos realmente enxergando.
    Abraço.
    Fernando Sonntag
    Comunicador

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s