O aborto e o utilitarismo dos desejos

Normalmente, quem defende o direito ao aborto hoje não sabe bem porque o defende, pois advoga uma opinião sobre a qual pouco ou nada sabe além de meras justificativas retóricas. A motivação nunca aparece nas palavras de seus defensores e é possível que nem exista neles. As argumentações se restringem a meras opiniões, dentre elas a de que a vida não começa na fecundação, alegações de direitos da mulher sobre o próprio corpo ou na retórica comum de que uma vida de pobreza, sem educação de qualidade, ou com pais separados, seja muito pior e destruidor na vida de uma criança do que a eliminação física dessa vida. 

Há outras argumentações, mas a maioria delas se baseia nestas poucas justificativas para a fuga de responsabilidades sejam individuais ou sociais. Afinal, se a defesa do corpo da mulher, esquecendo-se que ali há outro ser humano, é uma fuga de responsabilidade, também a alegação sobre o mal dos meninos de rua e crianças desamparadas é uma fuga da responsabilidade social, da caridade e da compaixão.

Há feministas que dizem que a decisão do aborto sempre esteve nas mãos dos homens. É verdade. E é fato que o aborto era aceito na Antiguidade pelos gregos e era defendido pelos filósofos da época. Do mesmo modo, foi obrigatório para os chineses dos primeiros imperadores e para os romanos para o controle da natalidade. Embora hoje o aborto seja uma causa aparentemente feminista, os homens sempre estiveram por trás da questão. Mas não simplesmente na mera decisão de abortar ou não. Eles eram, assim como são hoje, os maiores interessados que a mulher abortasse, o que torna a feminista uma pobre idiota útil, mulher objeto de grandes organizações que buscam inutilizar o seu papel na sociedade, reduzindo-a a homens mal acabados.

O Cristianismo tornou o aborto por séculos como uma prática reprovável e intrinsecamente maligna, embora sempre houvesse quem o praticasse e o defendesse dentro da Igreja, de fato como há em nossos dias.

Mas com o Iluminismo e a chamada Renascença, a ameaça de excomunhão perdeu legitimidade assim como o perigo de danação eterna. Na mentalidade moderna que se desenvolveu da filosofia iluminista, o homem transferiu a idéia de salvação para a esfera pública e política, na emancipação do homem enquanto cidadão, substituindo noções como pecado e graça pelas conveniências sociais e políticas do utilitarismo. Ainda assim, por muito tempo, o aborto permaneceu como imoralidade e assassinato covarde, já que se caracterizava pela eliminação de uma vida inocente em troca do livramento de responsabilidades.

Já no século XIX, o retorno dos pressupostos eugênicos da antiguidade coloriram essa prática com motivações e justificativas de suposto tom altruísta, baseados no ideal da busca por um mundo melhor, mais evoluído biologicamente e na mais eficiente administração de recursos, mentalidades de origem técnica que culminam hoje no ambientalismo. Iniciada nos círculos médicos a partir da herança evolucionista da biologia, a eugenia teve um percurso sinuoso pelas ciências até desembarcar na política e durante a primeira metade do século passado conquistou finalmente seus dignos representantes nos governos da Europa.

Essa ascensão proporcionou a criação de uma elite letrada, aficcionada por pesquisas científicas de caráter funcionalista e que, com o passar dos anos, promoveu financeiramente diversas das soluções encontradas por seus estudos, buscando levá-las ao alcance de todos. O mais conhecido patriarca dessa elite foi John Rockefeller que, a partir do final dos anos 60 e nos anos 70, diretamente e através de suas organizações, passou a exercer um pesado lobby junto ao governo federal americano para que este reconhecesse a questão do controle demográfico mundial como um problema de segurança interna dos Estados Unidos.

Junto com a Fundação Rockefeller, outros grupos surgiram na esteira dessa causa, mas suas motivações foram sofrendo alterações. De algum modo, porém, percebeu-se que não era eficiente aplicar um programa de esterilização em massa, pois o custo político disso seria alto demais, ainda mais com o fim da Segunda Guerra e a má reputação que certas idéias eugenistas. Era necessária uma adesão popular à causa, mesmo que a massa não conhecesse o real propósito daquilo a que estava aderindo.

Paralelamente ou propositadamente, desenvolvia-se a propaganda e o uso de causas como a libertação sexual, o feminismo e o pacifismo como motor de consumo. Quando Edward Bernays teve a excelente idéia de transformar o desejo subjetivo em fator motivacional de consumo, incluiu-se um importante fator de uso para campanhas políticas. Tornou-se possível, assim, apelar a desejos que se tornavam cada vez menos saciados, devido à própria essência da técnica da propaganda moderna (prometer e não cumprir), relacionando-os à cadeias de idéias que traziam as soluções políticas desejadas pelos engenheiros sociais.

A motivação de certas causas e ideais contemporâneos, portanto, associa-se mais a desejos subjetivos do que a demandas reais da sociedade. Basta comparar os argumentos estatísticos da agenda abortista com a realidade que perceberemos a flagrante fraude contida ali, o que evidencia uma origem diversa para o anseio de descriminalização do aborto, objetivo que parece exigir toda sorte de falsificações para ser alcançado. E se as fundações historicamente ligadas à eugenia e controle populacional estão até hoje por trás do lobby do aborto, é porque a motivação continua a mesma historicamente, isto é, parece-nos improvável que esta elite internacional tenha se mantido fiel a uma técnica cujo objetivo inicial não comungam mais.

Dessa forma, estas instituições internacionais provocam, por meio do controle da mídia e da propaganda, uma gama variada de desejos subjetivos estimulados ao longo de muitas décadas, por meio do financiamento de causas aparentemente políticas contando assim com as justificativas emocionais do infantilismo social calculado para isso.

Mas parte das motivações verdadeiras por trás de todo esse processo, ou seja, objetivos das fundações que controlam o processo também vão sendo trabalhadas paralelamente e se desenvolvem nas mentes de forma quase natural devido o próprio processo de desumanização. Isso ocorre subliminarmente, por meio destes mesmos apelos sensitivos aos desejos mais superficiais. Por exemplo: tomados pelo hedonismo que a constante preocupação em saciar desejos constrói nas personalidades, os homens e mulheres chegam à lógica conclusão do utilitarismo como concepção de vida, de moral e de beleza. Os devaneios artísticos e arquitetônicos do século XX não nos deixam mentir.

Com isso, a concepção oculta do abortismo, feminismo, gayzismo etc, se torna aquela motivação inicial que os engenheiros sociais desejavam. O subjetivismo da cultura pós-moderna esconde uma mentalidade técnica desumana e cruel, sutilmente maquiada pela retórica do politicamente correto. Vivemos uma sociedade de engenheiros porque a engenharia passou a saciar os anseios por eficiência. Engenheiros sociais, comportamentais, existenciais, religiosos. Engenheiros da satisfação, técnicos do prazer e do conforto. Vivemos o império dos modernistas pós-modernos, dos tecnicistas holísticos e do positivismo Nova Era.

Portanto, apesar do desejo subjetivo por trás das demonstrações estatísticas enfatizarem uma irracionalidade e provável ignorância em relação ao assunto, há um profundo desejo de controle racional e técnico do mundo com o fim último da satisfação eterna de poder e domínio das vontades individuais alheias, que serão esmagadas por uma vontade individual monolítica ao mesmo tempo que alardeia a multiplicidade caótica. É o subjetivismo totalitário que une o individualismo mais abjeto ao coletivismo mais tétrico e assustadoramente ordenado.

Algumas referências:

John Coleman – O Instituto Tavistock de relações humanas, 2003

PAULO II, João. Constituição Apostólica Fidei Depositum. Petrópolis: Vozes, 1993. (Catecismo da Igreja Católica).

Anúncios

Uma consideração sobre “O aborto e o utilitarismo dos desejos”

  1. Parabéns pela reflexão. Muita rica nos recortes históricos, nos argumentos e na defesa. Precisamos começar mais seriamente sobre os fatos e imagens em torno do abortamento.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s