Arquivo da categoria: mediawatch

Como identificar o politicamente correto

A maior utilidade de aprendermos a diferenciar os chavões politicamente corretos de verdadeiras reflexões é a de sanear nossas próprias opiniões e crenças. Depois — e só depois — é que podemos empreender o esforço de sanear as opiniões no entorno social. Isso porque naturalmente perceberemos que a maioria das nossas opiniões SÃO as do entorno social e não nossas, como pensamos.

A verdadeira reflexão parte da expressão e se dirige à compreensão do fenômeno real ao qual ela se refere. Os chavões se caracterizam por não fazer este caminho, mas permanecer no nível da expressão como se fossem a própria realidade. Palavras são tratadas como se expressassem perfeitamente o que se quer dizer, sem as dúvidas e ambiguidades que são inerentes a esta relação entre expressão e realidade.

Vazio gerado e vazio preenchido

A primeira característica do chavão é ser vazio de significado. Isso quer dizer que não é possível analisar o significado das palavras ou expressões para chegar a uma estrutura razoavelmente coerente. As palavras estão normalmente re-significadas e não correspondem mais ao seu uso tradicional, pois foram carregadas com emoções de adesão ou repulsa quase físicas. Gera-se assim uma caricatura de moralidade apelando apenas ao sentimento moral.

O vazio expressivo e de significado é preenchido, então, com os signos fornecidos pela cultura, o que é feito por meio de imagens, tanto visuais quanto retóricas, de propostas, soluções ou expectativas para o futuro. Quase todo mundo hoje em dia acredita que o futuro será melhor que o passado, por exemplo. Esta crença é facilmente utilizada para agregar valor a toda proposta que difira de algo que já existiu, favorecendo assim um círculo vicioso de mudança social.

A contradição

Outra característica é a contradição do enunciado com a situação de discurso. Por estar vazia de significado, as sentenças politicamente corretas têm somente o papel de estabelecer uma dualidade concorrente que coincida com o gosto do enunciador ou com a defesa do grupo ao qual pertence. Ambas podem ser representadas pela defesa de uma ideologia.

Exemplo: A defesa da tolerância pela utopia de uma sociedade igualitária: ora, tolerar é suportar as diferenças, o que pressupõe que existam. Como pode haver um mundo com igualdade (sem diferenças) e tolerância ao mesmo tempo, se sem diferenças não há o que tolerar? Obviamente frases como esta dizem respeito a aspectos tão gerais que não se aplicam a absolutamente nada, servindo mais como uma solução retórica para a indiferença que reina hoje em relação a tudo o que não seja a satisfação de uma auto imagem.

Estas contradições são muito frequentes no meio católico, entre clérigos e leigos progressistas adeptos de práticas criativas e críticas mas que, paradoxalmente, ficam indignados quando a criatividade e a crítica levam a algum tipo de tradicionalismo. Estes mesmos progressistas, ao mirarem o fogo aos tradicionalistas, criticam a afeição demasiada de fiéis aos “elementos visuais da fé”, como gestos, paramentos litúrgicos, etc, afirmando a necessidade de ouvir ‘Deus por meio do coração”, em um contato mais interno e menos externo, etc. Os mesmos progressistas, porém, aparentemente não vêem nenhuma utilidade nos gestos externos que empreendem como as suas mudanças litúrgicas aparentes.

Dualismo e inimigos imaginários

Para o politicamente correto, o mundo se divide entre os certos e os errados. Esquecem a complexidade do mundo e a dificuldade inerente à classificação e à descoberta da verdade. Quase sempre é necessário desenhar um boneco para espancá-lo depois, como o empresário ambicioso que odeia o meio ambiente, o carrasco que sente prazer em maltratar animaizinhos, o intolerante que odeia tudo o que é diferente dele, o “racista homofóbico”, o individualista que odeia tudo e a todos, e uma infinidade de estereótipos que dificilmente são nomeados ou apontados mas tidos como pressuposto ou inimigos imaginários. Essa tipologia dualista é necessária para a construção da auto imagem do politicamente correto e do seu grupo ou categoria.

Evidentemente, no Brasil alguns direitistas (especialmente liberais) ficam atentos a estes estereótipos, não para diferenciarem-se deles, mas para representarem o papel criado pelo politicamente correto. Neste sentido é que tenho dito que no Brasil o preconceito costuma acertar na mosca.

 

Por que a Igreja Católica é o maior obstáculo à Nova Ordem Mundial

Os utopistas da Nova Ordem Mundial odeiam o Cristianismo como um todo, cujos princípios sempre serão opostos ao poder infinito do globalismo. No entanto, do ponto de vista jurídico, a Igreja Católica é o maior obstáculo ao poder globalista por pelo menos dois grandes motivos:
1) Base espiritual: Trata-se de uma instituição milenar de caráter espiritual e portanto importante coluna do direito natural no ocidente, fator essencialmente limitador de poder;
2) Soberania jurídica: Tem sede no Vaticano, um estado nacional soberano, cujos princípios influenciam o mundo de dentro para fora, mas nada a pode influenciar de fora por conta dessa soberania.
Estratégia
Uma das estratégias globalistas mais clássicas consiste na superexposição da Igreja e de sua organização de modo a enfatizar contradições e as tensões existentes ou não com o contexto mundial (contexto este que deve ser construído por eles), para assim gerar uma falsa necessidade de interferência do mundo nas questões internas da Igreja.
Walter Lippman, assim como muitos outros teóricos de mídia e de sociologia, chamava a atenção para a existência do que chamava de “pseudo-ambiente”, isto é, um contexto construído especialmente para servir de justificativa para ações efetivas e mudanças drásticas na estrutura do tecido social. Aqui podemos interpretar o pseudo-ambiente como a função de premissa, já que não precisa ser exatamente uma descrição contextual clara, mas manifestar-se em um questionamento que passe a ideia de ser representativo da humanidade e fazer as vezes de uma questão universal e candente.
É evidente que tudo o que se publica jornalisticamente sobre o Papa e a Igreja tem esse objetivo e o Vaticano sabe disso.  Embora em muitos casos a Igreja acredite (estando certa ou errada) conseguir aproveitar-se dessa exposição vendo nela uma oportunidade de levar sua mensagem ao mundo, o fato é que a premissa dessa exposição global está presente nos dois casos, ou seja, os agentes desta exposição dificilmente são os membros da Igreja, mas a mídia submissa ao globalismo. Já que a Igreja não detém eficientemente os meios de controlar o fluxo de exposição, tampouco o viés dos produtos midiáticos, resta a ela responder às questões levantadas pela mídia utilizando-se muitas vezes de premissas fornecidas pelo agente causador da exposição. A resposta da Igreja normalmente nem precisa ser distorcida pelos jornalistas, pois o fato da pergunta já é suficientemente um fator de subjugação da Igreja ao julgamento mundano, o que já caracteriza uma inversão profunda e imperceptível de valores no grosso da audiência. Claro que a situação se complica ainda mais quando até mesmo o próprio Papa parece raciocinar nos termos midiáticos e aparentemente apressar-se a responder e com isso reforçar uma postura de submissão avessa à verdade da fé cristã e da noção de autoridade (dependência exclusiva do Autor da vida). Isso não é uma exclusividade do Papa Francisco, mas o resultado de uma postura que a Igreja tomou há tempos, o que nos parece algo carregado de erros e de aparente ingenuidade, queremos crer.

 

Por outro lado, se há outra alternativa à Igreja a não ser responder às questões levantadas, dada a situação de impotência diante do colossal poder da grande mídia globalista, não nos caberia indicar, já que compreender o problema me parece o primeiro passo de qualquer tentativa de resolvê-lo. Isso nos deve auxiliar principalmente no julgamento e interpretação das notícias sobre a Igreja, o que deve ser feito levando em consideração seus efeitos e, portanto, seu agente, conforme um simples exercício de associação baseado na pergunta: a quem isso ajuda? Se ajuda aos globalistas e seu poder sobre as mídias já é atestado, claramente se trata de uma ação orquestrada para este fim. E sobre isso há bastante informação disponível que ateste a incrível capacidade das instituições e entidades globalistas de controlar os meios de comunicação. Basta ver o meu artigo sobre o Project Syndicate.

Exemplos temos em demasia. O primeiro deles e mais óbvio são as acusações de pedofilia na Igreja. É sabido que casos reais existem e devem ser combatidos. No entanto, é um traço típico da mentalidade dos meros consumidores de notícias não atentar-se para o contexto em que essas denúncias surgem ou de quem elas vêm. Em um mundo hiper-sexualizado, onde todas as taras sexuais, incluindo homossexualismo, pedofilia, necrofilia, zoofilia, já contam com entidades de defesa e proselitismo sexual vindo da própria ONU e UNESCO, onde a educação sexualizante para crianças tem sido empurrada goela abaixo de todos os países do mundo, nos parece bastante estranho que os mesmos agentes promotores destas obscenidades tentem colocar a Igreja Católica no centro do problema das taras sexuais. Trata-se de uma forma ardilosa de gerar uma falsa necessidade de o mundo fiscalizar a Igreja e sua estrutura, além, é claro, de distrair o mundo dos infindáveis escândalos de pedofilia na própria ONU que são denunciados pelo mundo a fora e superam em muito os da Igreja.

Embora este tipo de assédio jurídico-midiático ocorra com todos os estados nacionais, o Vaticano é o alvo prioritário, por ser o repositório ocidental do que chamamos de direito natural, isto é, a base jurídica que nos permite julgar se uma lei é justa ou injusta, por carregar valores pré-jurídicos. O caso da pedofilia na Igreja esconde ainda uma agenda dupla que é a questão do celibato clerical, algo odiado e cada vez menos compreendido, mas muito mais por força de uma contextualização construída e aceita pela maioria, na qual o ponto mais alto da satisfação humana está na sexualidade e na realização dos desejos. Desejos estes que, para os fins do direito positivo da Nova Ordem Mundial, devem servir de matriz às reivindicações de mais direitos. Só assim, o que se conhece como direito pode ganhar um caráter subjetivo, um passo importante na direção da relativização do direito e, portanto, no sepultamento dos conceitos universais. Afinal, sendo o homem escravo dos próprios desejos, toda a força dispendida à sua realização irá inevitavelmente na mesma direção de conceder aos legisladores mais e mais poder para que garantam seus direitos. Uma artimanha tão velha quanto letal.

Outro exemplo muito claro é a cobertura e a atenção dada pela mídia ao Sínodo dos Bispos, cujo tema foi a família. A expectativa da grande mídia coincide com agendas da ala modernista da Igreja, como a comunhão de recasados (no fundo, mirando no dogma da indissolubilidade do casamento) e a aceitação de uniões entre pessoas do mesmo sexo, o que pressupõe, de fundo, a relativização do conceito de família como algo universal e independente de convenções sociais ou culturais. O maior obstáculo a estas causas é, novamente, o direito natural que, longe de ser um simples paradigma jurídico, é a base sobre a qual se construiu a noção mesma de direito e de democracia ocidentais.

Como vemos, não é possível julgar as notícias pelo seu conteúdo mas pela agenda que ela atende. Muito embora fatos expostos tenham um fundo de verdade, a verdade maior está na malícia dos difusores da informação e não na informação em si. Informações são uma parte muito pequena de uma notícia. O seu miolo, isto é, a sua alma é a intencionalidade, seja de informar ou transformar, dada a amplitude dos efeitos que advém da difusão dos fatos. Afinal, inevitavelmente a difusão de fatos gera novos fatos. Quem controla a difusão evidentemente detém uma parte importante do poder de interpretação sobre os novos fatos gerados.

Microcefalia: as fases de uma cobertura midiática

Em meu trabalho de mestrado, pesquisei as fases da cobertura midiática do Aquecimento Global, utilizando para classificá-las, as funções do jornalismo ambiental propostas na literatura a respeito. Percebi que aquilo que é chamado de função, acumula também a característica de fase ou estágio da abordagem de um assunto pela mídia no tempo. Percebi isso na própria pesquisa, pela distribuição das pretensas funções ao longo do período pesquisado.

Vejamos cada uma delas e depois tentemos adaptá-los ao assunto em questão, a microcefalia e o mosquito da dengue, que tem tido amplos espaços na grande mídia. Veja como elas se encaixam tanto no tratamento do tema ambiental quanto na questão da microcefalia.

Primeira fase: (Função Informativa) o tema precisa ser abordado factualmente, o que pode ser um fato da realidade ou a publicação de um diagnóstico científico. Pode também ser os dois, um seguido do outro, de modo a construir na mente do espectador um fato inconteste cujas informações são de competência de técnicos cuja certeza é inacessível ao cidadão comum. Esta fase caracteriza-se especialmente pela formulação de um problema, que pode ser local ou global. Nesta fase, a abordagem jornalística se caracteriza por uma certa preocupação com valores ou condições normais das coisas.

Segunda fase: (Função política) dado o problema e suas possíveis causas, cujas soluções parecem escapar da possibilidade de ação do cidadão comum, começa uma série de especulações a cerca das soluções de grande escala, isto é, pressões políticas e econômicas para uma ação governamental ou de cooperação internacional. A abordagem jornalística aí é bastante política e reivindicatória.

Terceira fase: (Função pedagógica) finalmente, após uma impressão geral da insuficiência das soluções governamentais, surgem propostas de mudança cultural. Neste aspecto, a abordagem jornalística se torna pedagógica. Entram debates de cunho moral e questionamentos à moral vigente, discussões mais aprofundadas. Saem de cena os técnicos ou políticos e entram os cientistas sociais e sua crítica da sociedade. Aqui normalmente revela-se o objetivo inicial de uma ação de transformação da opinião pública.

O caso da microcefalia

Já podemos perceber que a questão da microcefalia entrou na fase pedagógica ou cultural, já que iniciam-se discussões para a ampliação do “direto ao aborto”.

Esta estrutura noticiosa é, na verdade, a estrutura normal da persuasão. É necessário primeiro falar de algo, ter uma ideia do problema, para então pressionar à sua solução e, por fim, questionar padrões da sociedade modificando, assim, aquilo que se tinha em mente desde o início.

Muitos procuram explicações conspiratórias prontas que resolvam o problema rapidamente, mas a verdade é que não há maior conspiração do que a visão moderna do controle de tudo e da transformação da sociedade. É por meio disso que se causa todo tipo de destruição que depois se vai utilizar em benefício da própria causa. No caso ambiental, o ambientalismo ambiciona chegar a um equilíbrio ecológico utilizando-se da ação humana sobre a natureza, enquanto critica esta postura das gerações anteriores. Essa mentalidade é que produz maior destruição. Na saúde, a medicalização da vida fez da Iatrogenia (enfermidades causadas pela medicina) a terceira maior causa de mortes no mundo. Isso sim é conspiração, das quais qualquer Rockefeller ou Bill Gates se serve facilmente como num banquete.

Zika Vírus: guerra biológica ou guerra informativa?

Em 2013, apresentei uma dissertação de mestrado em jornalismo na UFSC sobre o tratamento jornalístico do tema do aquecimento global, no qual apontei que grande parte da cobertura midiática havia tomado hipóteses científicas como conclusões e favorecido a crescente pressão internacional por mudanças econômicas e políticas globais. O favorecimento de agendas internacionais é uma das funções essenciais dos meios de comunicação da atualidade e isso é facilmente comprovável por meio de uma simples análise das agendas favorecidas em uma dada cobertura midiática.

Quem quer que dedique 5 minutos diante da programação da Globo News e da Band News, canais especializados em notícias 24h, isto é, que deveriam apresentar uma diversidade de informações, percebe que o tempo dedicado à questão do zika vírus não deve ser inferior à 80% da programação. Duas soluções já apareceram como possibilidades nestes noticiários: a primeira foi ‘evitar de engravidar’ e a segunda, já nas últimas semanas, o aborto de microcéfalos. Ambas atendem à agenda do controle de nascimentos, estratégia para o controle populacional.

Convém, no entanto, nos certificarmos de que estamos prontos para analisar as informações com certo equilíbrio para não favorecermos hipóteses em detrimento de outras e, com isso, selecionemos informações sem percebermos.

Nessas situações, a melhor postura é aquela que deixa o caminho livre para que as informações adquiridas alcancem o máximo do seu uso ao invés de agarrar logo uma hipótese que coincida com uma postura pessoal mais pessimista ou otimista ou que coincida com nossas crenças apocalípticas. Portanto, neste momento é necessário ir além da análise das informações e dar certa atenção aos critérios para a busca da verdade.

No texto da postagem anterior, mencionei algumas das hipóteses que explicariam a fraude da cobertura sobre microcefalia e zika vírus, entre aquelas que tenho pesquisado. Ao menos duas daquelas hipóteses já tem sido publicadas em blogs especializados em teorias da conspiração (método que acreditam eficientes para combater o globalismo). Estes blogs apresentaram as hipóteses como explicações conclusivas, mais ou menos como fizeram os jornais sobre o aquecimento global. Uma aponta o caso da Oxitec, de Bill Gates, e dos mosquitos geneticamente modificados e outra ao fato do zika vírus ter com depositor internacional, a Fundação Rockefeller, grupos sabidamente interessados no controle populacional. Ambas as hipóteses, porém, tem em comum o fato de sugerirem uma guerra biológica. Isso nos permite agrupá-las desse modo e, com isso, explorarmos outra possibilidade, mais realista e econômica: a guerra informativa.

No caso do aquecimento global, foi muito mais fácil criar uma fraude midiática e científica do que aquecer o planeta. E é assim que os globalistas atuam, comprando consciências, adulterando informações e omitindo para jogar com as emoções das massas.

Não há guerra mais eficiente do que a mentira quando se tem ao seu dispor todos os canais de mídia globais, que sabidamente pertencem aos mesmos grupos e respondem com assustador servilismo a toda ordem vinda de cima. Basta compreender o que é o Project Syndicate para entendermos o tamanho do poder global sobre a mídia, esta sim uma verdadeira conspiração da qual poucos falam.

Portanto, antes de expormos versões conclusivas do que possa estar ocorrendo sobre o zika vírus, creio que temos de ter em mente esta intrincada estrutura política que comanda além de toda a mídia que importa, uma grande parcela da comunidade científica tendo-a subjulgada aos seus caprichos utópicos de transformação das consciências pela via da uniformização das crenças e valores.

A hipótese (ou grupo de hipóteses) da guerra midiática ou informativa, porém, não deixa de fora a possibilidade da guerra biológica real, mesmo porque só é possível fazer-se uma guerra biológica utilizando uma boa dose de mentiras. Mas como hipótese mais conservadora, proponho que até o momento a guerra apenas informativa é mais provável devido às numerosas suspeitas e contradições dos números apresentados, sobre os quais falaremos noutra oportunidade.

O problema essencial da hipótese de guerra biológica é que ela mantém e até potencializa o efeito pretendido pelas agendas anti natalistas: o pânico das mulheres em engravidar e o fomento ao aborto. Tudo indica que a microcefalia foi o mote escolhido para finalmente justificar um horror à reprodução humana.

Zika-Microcefalia: epidemia ou fraude abortista?

vacina

A confusão é tamanha que até a OMS pediu maior transparência nos números fornecidos pelo Brasil. Fica a cada dia mais evidente a contradição entre a incerteza dos médicos e a certeza quase fanática da imprensa.

Parece que a comunidade científica tem ficado a cada dia menos confiável. É só ver as previsões catastróficas do aquecimento global e a neve acumulando-se no Hemisfério Norte. A crença na sua onisciência, porém, não diminui.

Agora a Fiocruz arrumou-se. Ganhou financiamento milionário para auxiliar no desenvolvimento de vacina contra o Zika em conjunto com os Estados Unidos. E os suspeitos de terem contraído o zika vírus ganharão bolsa por causa da consequência imediata e aparentemente inevitável: a microcefalia. Claro que isso será feito após uma investigação. Mas a GloboNews corre na frente e recomenda: se você teve o zika e estiver grávida, corra para se inscrever no benefício. Com bolsa, quem agora vai duvidar que estamos diante de uma epidemia inevitável e seríssima?

Acontece que os casos relacionando zika e microcefalia são pouquíssimos, tendo sido descartados mais de 400 casos, deixando como evidência desta suposta relação, apenas SEIS casos. E o descarte de casos suspeitos só cresce. Os 1.400 casos alarmados na imprensa inicialmente eram, na verdade, apenas o montante de casos suspeitos para análise. A confusão é tamanha que até a OMS pediu maior transparência nos números fornecidos pelo Brasil. Fica a cada dia mais evidente a contradição entre a incerteza dos médicos e a certeza quase fanática da imprensa.

Desde o início, diante da mera suspeita de relação entre o mosquito e a microcefalia, os números de casos suspeitos da deformação já eram amplamente divulgados, portanto tratados pela mídia como certos. Esta é a marca inconfundível de uma fraude, como foi e tem sido no aquecimento global: a elevação de suspeita à certeza e a exploração do medo. Em seguida, vem a solução proposta: uma vacina que levará 4 anos para ser desenvolvida. Enquanto isso, corre dinheiro para verbas milionárias de pesquisa. Eis o porquê de não haver praticamente nenhuma voz médica chamando a atenção para as centenas de suspeitas que pesam sobre a questão.

Uma coisa é a suspeita de fraude, que cresce a cada vez que a imprensa decide falar do assunto, tanto pela incongruência das informações, quanto pela insistência e sensacionalismo das matérias. Outra coisa são as hipóteses de fraude, que são muito difíceis de saber. No momento, quase todas parecem verossímeis, mas difícil conciliar todas elas. Cada uma necessitaria de uma investigação aprofundada. O que podemos fazer no momento, porém, é listá-las em busca de que alguma relação se mostre evidente à medida que as informações se cruzem e se atualizem.

A primeira delas é o lote de vacina da Rubéola, que teria sido aplicado à população sem o devido cuidado (segundo alguns, a data de validade ou simplesmente uma vacinação mal feita). A rubéola, como se sabe, causa má formação no feto e pode ter sido acobertada devido o volume monstruoso de indenizações que ocasionaria.

Outros chamam a atenção para a recente determinação da Anvisa que ocasionou a diminuição do índice de iodo no sal de cozinha. A falta de iodo durante a gravidez é uma das causas de malformações.

Outra suspeita gira em torno do mosquito geneticamente modificado, criado pela empresa britânica Oxitec, que foi contratada pelo governo brasileiro. A contratação envolve uma série de irregularidades, havendo inclusive alegações de que “atendeu a mais objetivos políticos do que técnicos”. Um dos acionistas da empresa é o conhecido eugenista Bill Gates, que já falou publicamente em utilizar mosquitos geneticamente modificados para conter doenças tropicais. O mesmo Bill Gates que é aficcionado por controle populacional.

Sobre o mosquito da Oxitec, há um interessante estudo que põe em dúvida a iniciativa. Leia: Mosquitos Geneticamente Modificados: preocupações atuais (Helen Wallace)

Por cima de tudo isso está a clara intenção de utilizar a situação para fomentar o aborto. Já que o STF aprovou o aborto de anencéfalos, seria a hora dos microcéfalos. Quanto a essa questão (que não indica necessariamente como foi armada a fraude) há também inúmeras evidências de comprometimento com a causa abortista. Isso pode ser evidenciado com uma simples análise das fontes das matérias jornalísticas sobre o assunto, nas quais há inúmeros médicos ligados a laboratórios assumidamente favoráveis à ampliação das leis de aborto no país.

 

Ciência e ideologia III: ‘o império ecológico’

aquecimento-global
Famosa fotomontagem publicada como jornalismo, utilizada para sensibilizar a opinião pública. Enquanto isso, a população de ursos polares está crescendo como nunca.

Toda abordagem ideológica precisa de uma etapa inicial baseada na fabricação de um tipo de consenso. Esta etapa é marcada pela objetividade e tem função meramente informativa. Neste aspecto, a credibilidade de que goza o discurso científico em uma sociedade é essencial. Isso significa que muitas ideologias contam com o suporte de uma ciência, que pode ser legítima desde que separada do seu prolongamento ideológico e uso político posterior.

No uso ideológico, é comum a busca por uma verossimilhança de critério científico. Dados e tabelas, nomes de cientistas e referências acadêmicas, grandes e complexos títulos de obras e artigos, etc, são normalmente eficientes para que o conteúdo midiático não seja questionado. Mesmo que o conteúdo científico contenha em si profundas contradições lógicas e científicas, a tendência do público é depositar confiança.  É comum, por exemplo, o jornalismo apresentar uma hipótese teórica como se fosse uma teoria ou uma teoria como se fosse uma conclusão. Nesse caso, pode criar-se uma verdadeira cultura, um sistema de crenças que vai sedimentando-se em valores inquestionáveis pretensamente universais que brevemente já nem lembram-se de onde vieram, caindo em um senso comum.

Quando a ciência ecológica começou, no final do século XIX, era uma ciência essencialmente biológica que buscava uma abordagem sistêmica sobre as inter relações entre as ciências naturais. Hoje, porém, podemos dizer que se trata de uma ideologia política, essencialmente econômica e intervencionista, que busca regular o uso dos recursos naturais de todo o planeta.

O tema da ecologia foi ganhando mídia justamente quanto mais se alinhava a utopias políticas. Desde a definição do problema inicial (a destruição da natureza) até a solução proposta (controle da economia mundial) um longo processo se estabeleceu e deixou uma série de questões propositalmente de fora das discussões. Vejamos:

Uma das mudanças imperceptíveis foi a transformação do problema da “destruição da natureza” — que antes era entendido como figura de linguagem que significava as diversas agressões que colocavam os recursos naturais em risco — em um macrossistema de desequilíbrio planetário. Esta mudança sutil, feita por meio do desenvolvimento da teoria geral dos sistemas, claramente impõe soluções planetárias a problemas que antes eram tratados como locais.

As noções de “equilíbrio ecológico” ou equilíbrio planetário não pertencem ao mundo das ciências — naturais ou humanas — mas à literatura místico-esotérica dos séculos anteriores popularizada por editoras maçônicas e que ganhou o público urbano por volta do século XIX, constituindo a cultura que hoje chamamos Nova Era, que entre suas crenças inclui desde as primitivas seitas pagãs até o culto a extraterrestres.

É fácil percebermos que a noção de equilíbrio planetário pressupõe o conhecimento de um eixo principal sobre o qual o todo se equilibra. Este tipo de conhecimento só pode ser de caráter “revelado” e não empírico já que não faz parte do objeto de estudo de nenhuma ciência conhecida (exceto, de certa forma, da teologia).

Essa mudança vinda do uso de novas noções se concentrou na situação, no pressuposto ou justificativa de todo o edifício ideológico que vem depois. A abordagem sistêmica, como lembra Pascal Bernardin (em O Império Ecológico), quando aplicada à sociedade, tem a característica de ignorar o indivíduo, fazendo dele uma peça passiva de um sistema complexo. A teoria geral dos sistemas ampliou, com isso, as possibilidades teóricas da engenharia social.

Afinal, para resolver o problema do desequilíbrio ecológico, impõe-se a mudança de valores sociais. A ecologia mudou muito desde seus primórdios como ciência biológica, quando denunciava a ambição humana pelo controle técnico da natureza, até o ponto atual em que defende radicalmente o controle social sobre a mente humana como meio de controlar o planeta.

Da ciência para a mídia

Como já dissemos, o jornalismo quando fala de ciência se utiliza da credibilidade emprestada das ciências. Mas todos sabem o que é a ciência? Segundo o filósofo Olavo de Carvalho, há pelo menos três sentidos em que a palavra ciência pode ser entendida. Primeiro, como método de investigação; segundo, como conjunto de comunidades científicas, o que pode representar uma única comunidade ou algumas delas seletivamente; e, terceiro, a ciência como critério de validação de conhecimentos a serem usados pela política e para o bem (ou mal) da sociedade.

Em geral, a mídia utiliza o termo neste último sentido, como critério de validade de informações que o jornalista ou o jornal não poderia validar e, portanto, livra-se da responsabilidade por elas.

Embora o jornalista não explique ao seu público o sentido em que está usando o conteúdo científico, isso está patente pela própria essência da profissão. Portanto, os outros dois sentidos ficam implícitos como acidentes. Há a credibilidade do método, implícita socialmente, e o uso seletivo de comunidades científicas ou cientistas individuais. Neste último caso, a seleção não fica sempre por conta do jornalista, mas de organismos como a ONU (ex. IPCC).

Em 2013, demonstrei, em uma dissertação de mestrado em jornalismo, que a abordagem sobre Aquecimento Global no Diário Catarinense durante o ano de 2007, foi cerca de 46% pedagógica e apenas 29% informativa. A abordagem informativa concentrou-se nos primeiros meses enquanto a pedagógica, nos últimos. Isso parece indicar que a informação precisa vir antes da atribuição de valores e da sugestão de mudanças de comportamento, exatamente como acontece na chamada Teoria do Agendamento, que propõe duas fases, a do objeto e a do atributo.

A passagem de uma função para a outra se deu por meio do direcionamento político do jornalismo ambiental, que correspondeu a 35% e concentrou-se justamente na transição entre os dois. A função política em geral significa a geração de pressão para que países se mobilizassem para enfrentar o problema das mudanças climáticas.

Função Informativa: 29% — primeiros dois meses
Função Pedagógica: 46% — últimos meses

A função informativa coincidiu com a abordagem mair naturalista, isto é, focada na necessidade de preservação das belezas, florestas, animais em extinção, enfim, temas que tocam a sensibilidade e o zelo pelo planeta. Já a pedagógica e última focou somente em como o ser humano, mediante mudanças culturais e sociais, poderia contribuir para a “saúde do planeta”.

OBS.: Este estudo foi feito com atenção unicamente ao aspecto ideológico do ambientalismo, sem prejuízo dos problemas reais a serem enfrentados. Como acredito que a verdade não pode ser transmitida com o uso de mentiras, as denúncias que faço são em relação exclusivamente às mentiras utilizadas, acreditando que os fins não justificam os meios. No máximo podemos sugerir que, se os meios são ruins, a necessidade dos fins resultam no mínimo suspeitos.