Arquivo da tag: política

Princípios e problemas do conservadorismo no Brasil

Muitos enchem a boca pra falar em conservadorismo como se fosse uma instituição doutrinal sólida e de valores perfeitamente compreensíveis e aplicáveis. Isso não se aplicaria principalmente no Brasil, sendo mais comum e previsível a deturpação de virtudes em aparência de virtudes, conhecimento em aparência de conhecimento, etc. Sem a pretensão de apontar caminhos salvadores, no programa veiculado pela RADIO VOX no dia 25 de janeiro, falo sobre as potenciais dificuldades que o brasileiro encontra e encontrará para compreender o que é uma conduta politica conservadora.

Anúncios

Há verdade por trás de um estereótipo?

Walter Lippmann (1889-1974) escreveu sobre o estereótipo no livro Opinião Pública, de 1922. Ali ele fala sobre como este artifício jornalístico é uma eficiente técnica comunicativa, embora saibamos que em muitos casos pode ser utilizado como arma de guerra cultural.

A foto de um general fardado diante de um mapa postado na parede serviu muito bem em uma reportagem durante a Segunda Guerra Mundial para ilustrar a entrevista sobre estratégia militar concedida ao jornal. É claro que os jornalistas “forjaram” esta situação, pedindo que o general tirasse a foto diante do mapa na parede ao invés de no seu gabinete, o que daria uma ideia de que o general falava cinicamente a partir do conforto de seu gabinete enquanto jovens davam suas vidas pelo país muito distante dali. Este é um exemplo do uso de estereótipo no jornalismo, servindo tanto para informar mais rapidamente, pois a imagem ajuda na identificação do assunto e do personagem, como para evitar estereótipos falsos que distrairiam a comunicação de seu objetivo informativo.

O problema é quando o jornalismo se utiliza disso para construir uma caricatura com objetivo de denegrir alguém. No entanto é importante lembrarmos que algumas caricaturas são resumos ideais para personalidades reais que por definição são bem mais complexas. A caricatura é originalmente um meio de salientar características presentes em alguém, grupo ou classe ou numa ideia. Mas pode muito bem ser representado erroneamente de propósito. Então como estabelecer uma diferença?

Como qualquer registro da realidade, um texto se utiliza de dois elementos para ser escrito: elementos seletivos e construtivos. Seletivos são os que levaram o jornalista ou autor a escolher aquele objeto, selecionar ele no meio do caos da realidade. A escolha pode ser feita com base em elementos presentes que podem ser, por sua vez, também selecionados no objeto para ser descritos. Os construtivos dizem respeito ao modo como o autor vai descrever esses elementos previamente selecionados. O elemento construtivo é a parte criativa, que dá margem à ficção irreal ou à ficção real, poética, humorística, etc. Como eu disse, nem toda criação ficcional no jornalismo (ou relato pretensamente real) é mentiroso.

Esses dois elementos e suas potencialidades são muitas vezes observados pelos jornalistas e servem de critério de seleção para objetos. Há, portanto, meios de direcionar a abordagem jornalística através daquilo que chama a atenção do repórter, levando-o a escolher esta ou aquela fonte para determinado assunto.

Lembrando sempre que se o jornal fez uma caricatura de você, não aprece-se a denunciar manipulação sem antes observar se a caricatura feita não é de fato a maneira mais realista de descrevê-lo.

O estereótipo é uma técnica, uma foma sintética de descrição, que pode usar humor ou fantasia baseadas numa analogia mais ou menos realista. Estereotipar demais uma realidade cuja complexidade é importante para a compreensão séria, é e sempre será manipulação tendenciosa e maliciosa. Quando inexiste no autor ou jornalista qualquer código moral, tudo pode ser estereotipado pois nada é essencialmente sério ao ponto de ser referenciado à sua complexidade ou seriedade.

Por outro lado, isso não quer dizer que o estereótipo não é algo sério. Estereotipar alguém como tirano cuja maldade se esconde por meio de abordagens excessivamente compreensivistas pode ser um dever moral. Nenhum ser humano pode ser descrito em si mesmo como um estereótipo. No entanto, são incontáveis aqueles que podem sê-lo por questões inerentes à própria personalidade. Assim, um estereótipo pode ser “criado” simplesmente por meio da reflexão da complexidade de uma personalidade.

Militância petista agride cidadãos em Florianópolis

Pelo menos um caso de agressão ocorreu ontem (24/10) no Centro de Florianópolis, próximo ao Terminal do Centro. Um homem que distribuía panfletos anti-PT foi abordado e teve os panfletos confiscados por um grupo de militantes do Partido dos Trabalhadores.

Segundo ele, um dos militantes o agrediu fisicamente na presença de várias pessoas que passavam pelo local.

Mais tarde, um dos dirigentes do partido foi visto de posse dos mesmos panfletos na rua Felipe Schmidt, próximo ao comitê do PT, no centro da Capital.

Obama mantém-se longe das suspeitas da mídia

O link abaixo contém uma pequena análise do documento que comprova o contato do presidente eleito dos EUA Barack Obama com o governador cassado do estado de Illinois Rod Blagojevich, cerca de uma semana antes do escândalo que provocou a prisão do governador, sob a acusação de tentativa de venda da cadeira de Obama no Senado.

http://www.judicialwatch.org/weeklyupdate/2009/03-obama-blago-scandal-update#anchor1

O documento foi obtido do escritório de Blagojevich, através do Freedom of Information Act, recurso jurídico que obriga os órgãos oficiais a liberar documentos que muitas vezes não tiveram sido investigados.

Estranhamente, o documento citado no link não foi mencionado por qualquer jornal norte-americano e muito mentos pela mídia internacional.

A opção pessoal de jornalistas, decorrida do apelo emocional da candidatura Obama pelo mundo (descartando os apoios de cunho ideológico), tem causado um tipo de omissão que, se não for rapidamente corrigida trará ao mundo uma decepção descomunal por parte dos que acreditavam ser, o primeiro presidente negro da história norte-americana, uma esperança para o mundo.

A experiência mostra que o medo deve sobrepor-se a esperança no caso de líderes políticos populistas.